ELISA OHTAKE

Coreografia Inofensiva

Performance idealizada especialmente para o projeto X Moradias no terraço de um apartamento em São Paulo. O número de espectadores é reduzido (dois), assim como o tempo de apresentação (10 minutos). A performance foi repetida cerca de 20 vezes por dia durante 4 dias.

Dois espíritos anti-apaziguadores declaram guerra e amor à cidade de São Paulo. A performance mistura pessimismo e otimismo, perigo absoluto e brincadeira, amor puro e violência urbana. Os espectadores, vestindo coletes a prova de balas, são conduzidos a um ambiente estressante de uma espécie de guerrilha pós-moderna. Homens-bomba são preparados em um ambiente tenso e naturalista enquanto os espectadores/participantes são instruídos em táticas de guerrilha. Aos poucos, porém, os participantes compreendem que se trata de uma ambivalência, de uma chacina amorosa na cidade de São Paulo, de uma guerrilha colorida com brinquedos de criança, em um ambiente utópico e distópico a um só tempo. Os participantes estarão no meio de uma explosão plástica e a cidade, nesse contexto, pode ser enxergada em toda a sua plasticidade e complexidade. Para um gran finale, os “guerrilheiros” ironicamente se dispõem a dançar uma “coreografia inofensiva” para os participantes. A performance borra a fronteira entre conceitos opostos, anarquiza noções inteiriças para sugerir a complexidade, para discutir politicamente o corpo na cidade e na coreografia.

Lineu Palaia é perfeito para performar em Coreografia Inofensiva pois é ex tenente R2 militar do exército pela CPOR de S. Paulo e ex bailarino clássico pela Escola Municipal de Bailado.

Créditos
Concepção, direção, dramaturgia: Elisa Ohtake Performance: Lineu Palaia e Elisa Ohtake Produção: Elisa Ohtake
Projeto X Moradias